Casos e relatos

Há pouco mais de 1 ano conheci o Dr. Carlos Eduardo Diniz. Eu estava com fortes dores abdominais e após passar por um longo dia de exames, a médica que fez meu atendimento indicou a retirada do meu útero. Fui transferida de hospital para dar entrada, naquela mesma noite, ao procedimento, quando fui indicada pelo médico, Dr. William, para que antes da cirurgia eu fizesse uma avaliação com o Dr. Carlos. Ele prontamente me atendeu e após uma série de exames autorizou o procedimento. Fui operada e os resultados foram excelentes: 75% de redução do tamanho do meu útero, que estava muito acima do padrão. Os miomas não estão mais vascularizados e também reduziram significativamente. Hoje, me preparo para realizar o sonho de ser mãe…. Agradeço ao Dr. Carlos por sua competência e por ele ter realizado um verdadeiro milagre em mim (palavras da Dra Fabricia que realizou meus exames de ressonância). Espero que este depoimento encoraje e incentive pessoas que assim como eu, no ano passado, estava vivendo este momento de aflição.

Pauliane Dias


Tenho atualmente 49 anos e, por infindáveis anos da minha vida, convivi com miomas em meu útero. No início, ainda muito jovem, os descobri, mas ainda eram inofensivos. Na mesma época, minha mãe fez a histerectomia total e passou por um processo difícil de aceitação psicológica, que acompanhei com tristeza e angústia, pois esse deveria ser meu futuro. Os miomas cresceram se multiplicaram e, na mesma proporção, iam complicando meus dias. Era uma aventura ir trabalhar nos dias do meu ciclo, sempre insegura com as hemorragias intensas e à base de medicamentos pra suportar as cólicas, o que, irremediavelmente me deixavam quase incapacitada de trabalhar, de sair de casa.
No ano passado, tive o veredicto de que não havia mais o que esperar, teria que retirar imediatamente meu útero. Estava quase anêmica, cansada. Apesar de esperar por isso, fiquei abalada. Não por querer ter mais filhos (já tenho um), afinal, na minha idade isso seria arriscado. Mas sentia a mutilação.
Foi aí que minha cunhada me indicou a embolização de miomas, que ela mesma havia feito e, sucesso total, engravidou logo depois. Precisava apenas ter indicação para me submeter ao mesmo procedimento, o que se confirmou com os exames e consultas. Nunca havia feito qualquer procedimento ou cirurgia, até meu parto foi normal. Estava apreensiva, mas confiante que tinha que tentar.
Passados seis meses, não consigo expressar, na íntegra, o meu sentimento de vitória, de gratidão. Minhas dores e hemorragias acabaram, minha autoestima e alegria voltaram. Voltei a sair de casa, a trabalhar tranquila, são outros e novos dias.

Michèlle de Toledo Guirlanda

Convivendo com o Mioma

O nosso corpo é uma máquina incrível que responde muito rápido aos estímulos que damos a ele. Sabemos que conviver com uma dor recorrente não é tarefa fácil, entretanto, alguns hábitos podem trazer qualidade de vida e melhora em nosso humor. O que pode afastar, mesmo que por alguns instantes as dores decorrentes do mioma.

Praticar atividade física é a melhor forma de estar em dias com a sua saúde e ajuda a minimizar dores. Mulheres que têm o mioma e que fazem atividade física com frequência tendem a relatar menos dores principalmente durante o período menstrual.

Ter bons hábitos alimentares também é importante para seu bem-estar e consequentemente para que você consiga evitar algumas doenças ou minimizar os seus sintomas. A nossa alimentação interfere de maneira significativa em nossa qualidade de vida. Estar atento a mais este fato é de grande importância no tratamento do mioma.

Apesar de não haver nenhuma associação entre stress e miomatose, existem pesquisas que apontam um aumento na produção de fatores de crescimento tumorais associados ao stress. Uma vida equilibrada e com qualidade, é essencial para a saúde.

Converse com o seu médico

Mantenha uma boa comunicação com o seu médico. Ela essencial para um bom resultado no seu tratamento. Ao se tornar um paciente ativo na determinação do melhor para o seu caso. Você se sentirá mais tranquila, participativa e confiante diante do seu tratamento.
É importante relatar tudo que sente e como se sente diante desse diagnóstico para que, junto ao seu médico, possam decidir pelo melhor tratamento.

O médico é o profissional que está preparado para ouvir você e sanar todas as dúvidas. É importante alertar que todo diagnóstico precisa vir de exames e de parecer clínico. Não tire suas próprias conclusões nem se medique sem ter indicação médica.
> Dicas para sua consulta

Mioma na Gravidez

Quando a mulher engravida e tem mioma, este não oferece riscos ao bebê dependendo do seu tamanho, entretanto é preciso ficar atenta, uma vez que pode aumentar o sangramento. Isso sim até o terceiro mês de gestação pode ocasionar um aborto. A gravidez também pode fazer com que o mioma fique maior. O acompanhamento médico mais rigoroso é importante durante toda a gestação.
Existe ainda o risco de descolamento da placenta em casos em que o mioma está localizado na região onde o bebê se hospeda.
Outro fator que também pode acontecer é um parto prematuro em casos em que o mioma é muito grande e causa sangramento.
Para todos os casos o melhor é estar bem acompanhado por um especialista que assegure uma gravidez e parto tranquilos.
Durante a gravidez não há necessidade de tratar o mioma, recomenda-se, no entanto repouso e, a partir de indicação médica, o uso de analgésicos pode ajudar no alívio das dores.

Com relação ao tipo de parto, cabe ao paciente decidir junto ao médico qual será a melhor opção. Quando o mioma é muito grande pode ser que seja um parto mais doloroso e com sangramentos maiores.

Caso a mulher com Mioma em crescimento tenha o desejo de engravidar, é recomendado um tratamento intervencionista, de acordo com o diagnóstico detalhado. Desta forma ela vai estar mais segura durante a gestação.

Como é o diagnóstico de miomas?

A maioria dos miomas é assintomática. Entretanto, a mulher pode conviver com sintomas por muitos anos sem saber que podem estar relacionados aos miomas. Os sintomas mais comuns são:

  • Aumento do fluxo sanguíneo do período menstrual;
  • Dor durante as relações sexuais;
  • Pressão ou dor pélvica (devido ao crescimento do nódulo);
  • Período menstrual longo demais;
  • Urinar com frequência em pequenas quantidades.

Na ocorrência dos sintomas relacionados acima, o exame ginecológico de rotina onde a paciente vai relatar ao médico seus sintomas é o primeiro passo para o diagnóstico. A ultrassonografia detecta maioria dos miomas. Nos casos com indicação de embolização, a Ressonância Magnética acrescenta dados importantes.